QUEM SOMOS.

A Casa Cubo Comunicação Intencional é uma empresa com foco em construção e reposicionamento de MARCAS. Nascemos e buscamos no mercado BOAS empresas para prepará-las para se relacionarem BEM com seu público-alvo. Nossa busca:

Facilitar elos entre marcas e fãs.

Nosso diferencial está no cuidado intencional com nossos agenciados  que perpassa uma consultoria inicial bem-feita. Discurso alinhando dos dois lados do balcão e “mapa da mina” que define as variáveis do negócio, é o cliente quem define o ritmo da jornada. Os passos podem ser lentos, o investimento pode ser alto e arriscado no melhor do estilo “tudo ou nada”... Do lado de cá o compromisso de que inércia e aquele sentimento terrível de “não sei nem por onde começo” no tocante à Comunicação da sua marca estarão por hora sanados.

entregas.

Por aqui buscamos praticar as mesmas estratégias de transparência, personalidade, constância e diálogo que propomos nas entregas feitas para nossos clientes. Nosso desejo: a construção dos nossos próprios elos. Que ao longo de nossa trajetória mais que bons clientes, já nos renderam parceiros.

/nossa história_dna

Olá, aqui quem fala é a Ana. E falar da Casa Cubo sem falar da minha história pessoal é missão quase impossível.

Isso porque, acredito que como na história de muitas empresas, comecei a empreender de forma natural, fazendo os famosos “bicos” para amigos e pessoas próximas que viam meu trabalho e começaram o famoso “faz uma artezinha para mim?”. (Eita que quem é designer sabe o tanto de sentimentos que essa frase pode despertar, mas isso por si só é tema para um outro texto a parte ou rodada de desabafo coletivo do Clube dos Designers Sofridos Anônimos) 
 

MAS COMO FOI O SALTO DA ARTEZINHA PARA A CONSULTORIA?

Carreira na área de Jornalismo transcorrendo de forma orgânica como a de todo mundo com os tradicionais estágios sofridos e mal remunerados correndo de uma redação para outra e almoçando um enroladinho de salsicha na zebrinha (aqui entrego a idade, quem é de Brasília vai conseguir calcular quantos anos eu tenho) e alternando com experiências ali e acolá na área de Publicidade e Design (por conta do abençoado hobbie que desenvolvi graças ao meu então namorado à época do ensino médio e hoje esposo que não aguentava ver eu desperdiçar minhas tardes cochilando depois do almoço e me convenceu a fazer um curso de web designer que realmente coloquei um lado do cérebro que até então só ficava brincando de bolar roteiros de comerciais de tevê durante o banho e redigindo notais mentais de “posso ligar no SAC deles e oferecer essa ideia de comercial, vai que eles fazem, ia ser da hora!”)…até que eu resolvi me casar!

Sim. Eu resolvi me casar cedo em pleno século 21, aos 21 anos… Julgamentos a parte, foi isso que fiz por ser cristã e católica praticante e querer seguir construindo vida e carreira ao lado do meu esposo. Daí então os olhos do Mercado passaram a me olhar diferente. E eu não os julgo, pois sempre tive e tenho consciência de todas as escolhas que fiz e faço e sempre aprendo muito com elas. O fato foi que o jogo imediatamente após o casamento endureceu bastante para mim e os degraus triplicaram…Mas eu segui no jogo da carreira no tabuleiro do LIFE e…TIVE FILHOS! Afinal, se estamos na chuva, vamos nos molhar. 
 
E foi uma das melhoras coisas que fiz NA VIDA! Se tem algo que amplia a perspectiva e te ajuda a te colocar no lugar do outro, esse exercício é a tal da maternidade…Acho que não teve jeito, o Criador quando fez isso teve que colocar um pouco mais dele nas mulheres viu, que me desculpem os homens, porque a “chavinha invisível” da empatia e gestão de tempo simplesmente virou quando minha menina mais velha, Míriam, veio ao mundo…e com ela minha primeira demissão sem justa causa.
 
Segui trabalhando e batalhando bastante ao lado do meu melhor amigo. Acumulei experiências do outro lado do balcão: na área de Assessoria de Imprensa e do fazer comunicação dentro das empresas e cada dia consegui ir montado o quebra-cabeças da tal Comunicação Integrada
 
Antes de encerrarmos nossa contribuição para a continuidade da espécie humana porém, chegou Leonardo ao mundo, mais uma demissão sem justa causa e indenizada…e com ele a certeza de que eu tinha que fazer algo para não perder mais tanto a infância deles e mesmo me mantendo ativa e trabalhando, estar próxima. E aí “acendeu o ledzinho”, como diz um grande amigo e cliente meu…
 
Naquela época eu estava com um posto em uma agência digital, com ênfase em Social Media já em modelo híbrido por proposição minha para estar perto deles e trabalhar, quando Léo que ainda tinha 10 meses teve uma otite terrível e precisava de mais cuidados com o ouvidinho para não operar e meu então chefe não foi tão compreensivo com a situação…Entendam, ele não foi um carrasco. No mundo real, não existem carrascos a não ser o massacrar do tic tac do relógio e vencimento dos boletos em cima de nós. Pelo contrário, foi apenas mais uma situação normal do dia-a-dia mas que me fez ver o quanto eu era capaz de ter algo meu, com minha cara e que me ajudasse no malabarismo do meu dia-a-dia de mãe e comunicadora a continuar entregando meu trabalho ao mundo e não guardar minha carreira numa caixinha embaixo da cama (Cheguei até a tentar ser só dona de casa e a experiencia não durou enlouquecedores 15 dias).
 
Arregacei minhas mangas, estudei ainda mais, e numa madrugada de 2015, no escritório do meu apartamento, onde todas as janelinhas dos prédios próximos ao meu estavam com suas luzes apagadas e minhas crianças e marido dormiam o sono dos justos, nasceu o embrião da hoje Casa Cubo – Comunicação Intencional.
 
Se tem algo que minha experiência há mais de 10 anos atuando no mercado já me ensinou é que não existe forma mágica ou única no que pese a Comunicação, que não existem atalhos e que credibilidade, constância e disciplina não estão sendo encontrados com facilidade nas esquinas.
 
No frigir dos ovos, por mais que eu tenha as graduações, habilitações e cursos de especialização, e essa pataquada toda que você pode conferir depois no meu LinkedIn, o que hoje me dá a segurança de atuar como facilitadora para a criação de elos reais entre marcas e fãs aqui na Casa Cubo é a soma de todas as pessoas que já atendi, os feedbacks que já recebi ao longo da trajetória e a certeza de que posso ajudar marcas, empresas e projetos a serem mais assertivos em sua Comunicação. Isso porque em 80% dos casos de falhas de empresas, a falha reside na falta de PLANEJAMENTO. Problema que pode ser sanado por meio de planejamento prévio da comunicação da marca, que deve ser feito junto ao processo de construção desta estratégia. 
 
Por mais que as redes sociais tenham chegado para democratizar o acesso à informação, se não tivermos uma estratégia bem feita e realista antes de irmos a mercado podemos seguir perdidos na selva deste mundo de hoje em que: todos querem produzir conteúdo e poucos querem consumir.
 
É neste sentido que a Casa Cubo vem com a proposição de uma Comunicação Intencional para as marcas que atua enquanto facilitadora. Para propor que seus agenciados ofereçam num mundo super contaminado por fakenews e marcas perfeitas, inalcançáveis e frias, experiências reais, transparentes e HUMANAS. 
 
Entre e contato agora a mesmo e vamos ver o que podemos fazer pela sua marca!
 
Obrigada por me acompanhar até aqui.
Abraço de verdade, Ana Araújo.