Inovação: modo de provocar

Se tem algo mais gostoso que ter uma boa conversa com pessoas, eu desconheço. Na minha experiência pessoal e profissional é quando me refastelo, valido meus estudos, meu trabalho, meus esforços, pratico o ouvir o outro de verdade e aproveito para pegar com as pessoas um pouco das peças deste grande, imenso e interminável quebra-cabeça que o Criador fez com todo seu amor para nós. Puxa, como é gostosa essa tal de vida e quanto somos incapazes de imaginar o quanto de engrenagens, vidas e histórias correm em paralelo neste exato momento.

Não é à toa que os estudiosos e cientistas da minha área de Comunicação e Marketing enumeram apenas tendências, uma previsão do tempo com base em nossos instrumentos. Tenho buscado desde o início desta confusão usar todo meu sentido-aranha (sim, Leonardo tem me colocado para ver em reprise o herói favorito dele e agora estamos na maratona “Senhor dos pincéis”, como ele chama) para manter o foco, beber da fonte das principais pesquisas e palestras dos dados que estão vindo disso tudo, utilizar o Google Trends meu companheiro de todas as manhãs, para ajudar minha tribo dos Empreendedores, principalmente os micro e pequenos empreendedores, a passar por tudo isso da melhor forma possível. Fruto deste trabalho são as Consultorias Primeiros Passos e Ikigai – você com propósito.

E sim, a maré está revolta após o tsunami coronavírus e a segunda onda de crise econômica vem aí em 2021. E isso é um fato que envolve o sobre e desce da Selic, retorno não esperado de investimentos e toda essa pataquada limitada para o meu economiquês mas que você pode conferir em mais detalhes aqui e aqui direto pela voz de quem manja real e oficial do assunto.

Mas, alguns fatos devem e não podem deixar de ser enumerados antes de você ser sequestrado pela sua amidala e entrar em desespero. E é neste AQUI POR DIANTE deste artigo que eu gostaria que você detivesse sua atenção:

  1. O jogo zerou para TODOS. Quem foi atento observou que por semanas todos ficaram aguardando no mesmo “grid de largada”, grandes e pequenos empresários e o que você fez enquanto aguardava esse disparo pode ter lhe dado uma vantagem competitiva enorme em relação aos demais;
  2. Das grandes às pequenas empresas foram sentidos os impactos deste confinamento. E advinha para quem foi mais fácil se adaptar ao jogo e flexibilizar para não fechar as portas? O pequeno que reviu o portfólio de serviços e criou modalidades mesmo que temporárias de serviços conseguir preservar seu giro e se manter no jogo.
  3. Inúmeras necessidades de produtos e serviços surgiram. Reparou? Em que sua empresa pode atender dentro do portfólio e ativos que você já possui hoje?
  4. Enxugue ou morra. Esta é a tendência para as empresas de grande e médio porte. Quem teve pena de cortar itens de sua linha de produção e reduzir folha de pagamento já estão neste momento no processo de falência;
  5. Divisão mais clara de marcas e serviços. Clareza acima de tudo na venda de produtos e serviços despontam como vantagem competitiva.

DEIXE O PENSAMENTO DE ESCASSEZ PARA OS OUTROS

Deste modo meus amigos, caso você seja micro e pequeno empresário deixo aqui minha palavra de alento. Revise sua entrega, seu catálogo de produtos e serviço, veja e reveja de que formas você pode INOVAR no seu segmento de atuação UTILIZANDO RECURSOS JÁ DISPONÍVEIS, invista na comunicação com transparência do que você faz e do que você não faz e siga em frente que para você, como certa vez já disse um político icônico de nossa cultura brasileira, a crise que vem por aí será só mais uma marolinha.

Desenhe e descubra a forma como sua concorrência em potencial faz as coisas e pense: como você pode fazer diferente utilizando os mesmos recursos que já possui hoje?

Por último, antes de me despedir, partilho aqui contigo um a história de Nilton Bonder citada no maravilhoso livro de Alex Bonifácio: Impossível que desde já recomendo a todos a leitura.

Conta-se de um incidente ocorrido durante a idade média, quando uma criança de um lugarejo foi encontrada morta. Imediatamente acusaram um judeu de tê-la assassinado, e alegaram que a vítima fora usada para realização de rituais macabros. O homem foi preso e ficou desesperado. Sabia que era um bode expiatório e que teria a menor chance em seu julgamento. Pediu então que trouxessem um rabino com quem pudesse conversar. E assim foi feito.

Ao rabino lamuriou-se, inconsolável pela morte que o aguardava; Tinha certeza de que fariam de tudo para executá-lo. O rabino o acalmou e disse:

– Em nenhum momento acredite que não há solução. Quem tentará você a agir assim é o próprio sinistro, que quer que você se entregue à ideia de que não há saída.

– Mas o que devo fazer? – perguntou o homem angustiado.

– Não desista e lhe será mostrado um caminho inimaginável.

Chegado o dia do julgamento, o juiz, mais mancomunado com a conspiração para condenar o pobre homem, quis ainda assim fingir que lhe permitiria um julgamento justo e uma oportunidade para demonstrar sua inocência. Chamou-o e disse:

– Já que vocês são pessoas de fé, vou deixar que o senhor cuide desta questão. Em um pedaço de papel vou escrever a palavra inocente” e, em outro, “culpado”. Você escolherá um dos dois e o senhor decidirá o seu destino.

O acusado começou a suar frio, sabendo que aquilo não passava de uma encenação e que o condenariam de qualquer maneira. E tal qual previra, o juiz preparou dois pedaços de papel que continham a inscrição “culpado”. Normalmente se diria que as chances do acusado acabavam de cair 50% para rigorosamente 0%. Não havia nenhuma chance estatística que ele viesse a retirar o papel contendo a inscrição “inocente”, pois ele não existia.

Lembrando das palavras do rabino, o acusado meditou por alguns instantes e, com brilho nos olhos, avançou por sobre os papéis, escolheu um deles e imediatamente o engoliu. Todos os presentes protestaram:

– O que você fez? Como vamos saber agora qual o destino que lhe cabia?

Mais que prontamente, ele respondeu:

É simples. Basta olhar o que diz o outro papel, e saberemos que escolhi seu contrário.

Extraído do livro: Impossível – de Alex Bonifácio

Em um cenário de PURA adversidade o judeu UTILIZANDO apenas os recursos que a ele estavam disponíveis, obteve a solução de seus problemas.

Sabemos que a maré não está para muitos peixinhos, cliente fiel é uma raça entrando na relação das espécies em extinção e que empreender no Brasil já está quase entrando no dicionário como significado da palavra resiliência. Mas para quem empreende com propósito e pratica uma comunicação intencional e orientada por objetivos estratégicos reais, melhores águas podem ser encontradas.

E que seus ventos lhe sejam favoráveis, caro amigo!

Abraço de verdade,

Ana Araújo.

🌻💛,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *